E que tudo mais va pro inferno! Estrelas de Fevereiro Flutuando no Escuro...
sing out this song and i'll be there by your side

Seja Bem Vindo Ao Odisseu


Desvenda-me ou te devoro

Eu Vejo...
Evangelion - Death and Rebirth

Eu Ouço...
Ewan McGregor

Eu Leio...
Vinícius de Moraes

Posts
sábado, dezembro 07, 2002
Ter, tinha...

Desculpem-me pela minha negligência com os blogs, tanto o meu quanto os alheios. É pura falta de tempo e de aparato tecnológico de qualidade. Ontem até tentei fazer uma visita geral nos blogs, mas não consegui ver sequer metade. Culpa do meu modem novo, pior que o antigo, que é pior que o antecessor.

Aviso logo que não esperem presentes de natal de mim. Nope. Eu me recuso a dar presentes de natal. Presentes de ocasião são, no máximo, de aniversário. Além disso, só serve aquele presente tipo "eu-vi-e-me-lembrei-de-você-e-tinha-condições-financeiras-de-comprar".
Mas, se me chamarem para um amigo secreto ou amigo-da-onça, eu já sei que presente eu daria para satisfazer ambas as modalidades citadas (simultaneamente)
:)

Adivinhem que estudante (ou não) de biologia da USP está de volta à nossa capital.

Que as descasadas dêem uma ´chance´... ou não...

Estão abertas as inscrições para companheiros de viagem a quem quiser ir para Brasília ver o Lula tomar posse. Por enquanto, há (hipoteticamente) três pessoas.
______________________________________________________________

Pedro Lucas recomenda:

Silverchair
- cemetery -

Need a change
Not to imitate
But to irritate
All the ones who hate

I may be late
Always seem to get the wrong date
Well I guess it's fate

I live in a cemetery
Full of good will and integrity
You see I have no specialty

Here's your warning
I'll give you click click boom

I live in a cemetery
I need a change
Not to imitate
But to irritate

I live in a cemetery
Need a change
Not to imitate
But to irritate

I live in a cemetery
Need a change
Not to imitate
But to irritate

I live in a cemetery
Need a change
Not to imitate
But to irritate

I live in a cemetery
Need a change
Not to imitate
But to irritate

I live in a cemetery
______________________________________________________________

Incubus
- warning -

Bat your eyes girl
Be otherworldy
Count your blessings
Seduce a stranger
What's so wrong with
Being happy?
Kudos to those who
See through sickness

When she woke in the morning
She knew that her life had passed her by
And she called out a warning
´Don't ever let life pass you by´

I suggest w
Learn to love each
Other before it's
Made illegal
When will we learn?
When will we change?
Just in time to
See it all fall down

Those left standing
Will make millions
Writing books on the way it should have been

When she woke in the morning
She knew that her life had passed her by
And she called out a warning
´Don't ever let life pass you by´

Floating in this
Cosmic jacuzzi
We are like
Frogs oblivious
To the water
Starting to boil
No one flinchess
We all float face down

When she woke in the morning
She knew that her life had passed her by
And she called out a warning
´Don't ever let life pass you by´
Postado por Pedro Lucas em 14:16

terça-feira, dezembro 03, 2002
Acho que estou começando a encaminhar meu violão. E já tenho mais ou menos planejado como aprender a tocar.

FALE COM ELA
O que mais me interessou no filme foi o modo como o diretor tratou personagens solitários que queriam fugir da solidão sem abrir mão dela. Também me agradou a paisagem (meio desértica, meio montanhosa, meio savana, com um posicionamento lindo das árvores) que aparecia de fundo em cenas em que estavam Marco e Lydia conversando no banco de trás de um carro. Ah, não posso esquecer a tosqueira de "O Amante Que Encolheu" e a angústia que provocou em Benigno. Fora isso, gostei da Katarina ('eu sou uma professora de balé e sei que nada na vida é simples') e fiquei com vontade de assistir a "Trincheiras". De certa forma, o filme lembra a série Seinfeld, pelo modo como certos fatos se conectam uns aos outros.
Não recomendo que saia de casa com o intuito de ver o filme, mas assista se tiver oportunidade.

______________________________________________________________

>> Não me lembro desde quando... sinto que meu coração e meu corpo estão pouco a pouco se separando. Cada vez que acontece algo triste ou difícil, eu dizia para mim mesmo que aquilo não era comigo. Parece que há um outro eu olhando os acontecimentos ao meu redor. Tudo bem. Sei que posso continuar assim. Vou guardar meu coração no lugar mais oculto do meu corpo. Assim a dor do meu corpo... a dor do meu coração... até mesmo o medo... não precisarei sentir mais nada.
>> Por quê... para quê... por quem eu estou fazendo isso?
>> Como sou idiota. Por mais que eu ande, não há nenhum lugar para eu ir. Conclusão: eu só tenho fugido da realidade. Para onde quer que eu vá, não consigo fazer nada direito. Por isso, não há ninguém que precise de mim. Meu pai e Misato prezam apenas a minha porção piloto, não é de mim mesmo que eles precisam. Mas isso eu sabia desde o começo. E, assim mesmo, eu...
>> Talvez eu estivesse só fingindo que estava vivo.
>> A verdade. O que será? Qual será a verdade para mim? Tudo parece escorregar por entre os meus dedos, como se fosse areia. Afinal, o que será que vai sobrar em minhas mãos? O que será?

-- pensamentos de Shinji Ikari, piloto da unidade 01 em Evangelion e personagem em que me inspirei para a 'fantasia' da calourada do último dia 22 --

Eu sei que Shinji é um personagem meio forçado e teimoso para se adequar ao modelo de 'anti herói' que o autor de Evangelion queria, mas, mesmo assim, ao desenrolar da série, é um personagem lindo.

Para terminar o post, um diálogo (quase monólogo) entre Gendou Ikari e seu filho, Shinji:

> Shinji. Pare de olhar só para mim.
> Hã?
> As pessoas devem viver com suas próprias forças, assim como devem crescer pelos seus próprios esforços. Somente os bebês precisam da ajuda dos pais. E você não é mais nenhum bebê. Aprenda a andar com seus próprios pés, e siga seu caminho. Eu mesmo vivi assim.
(momento de silêncio)
> Mas... eu...
> Não pense em se entender comigo. Não sei por que o ser humano se esforça para entender o outro. Lembre-se... as pessoas são incapazes de se entender completamente. O ser humano é um animal triste.

Postado por Pedro Lucas em 23:43

Powered by Blogger

Template desenvolvido por Blog Templates

Arquivo