E que tudo mais va pro inferno! Estrelas de Fevereiro Flutuando no Escuro...
sing out this song and i'll be there by your side

Seja Bem Vindo Ao Odisseu


Desvenda-me ou te devoro

Eu Vejo...
Evangelion - Death and Rebirth

Eu Ouço...
Ewan McGregor

Eu Leio...
Vinícius de Moraes

Posts
domingo, setembro 15, 2002
Leave me alone
I'm in control
I'm in control
And girls act too much
And boys act too tough
Enough is enough
Were on the minds of other men I know she was

I said just take it or leave it
And take it or leave it
And take it or leave it
And take it or leave it
Oh just take it or leave it
And take it or leave it
Oh take it

Strokes, Take it or Leav it
Morreu o periquito
a gaiola vazia
esconde o grito

esta vida é uma viagem
pena eu estar
só de passagem
Paulo Leminsky

Tipo... Nada de anti-americanismo fanático. Esse fundamentalismo de esquerda me deixa entediado. Mas esse Bush é um cara meio filho da puta mesmo. "O que nos diferencia dos nossos inimigos é que nós damos valor a vida. Cada vida humana é importante. Para os nossos inimigos não, nem a vida dos inocentes."... e é por isso que nós vamos invadir o Iraque e matar seus habitantes, inclusive os inocentes. PORRA! Só o retardo mental para explicar essa incoerência gritante e esse maniqueísmo lunático do Bush..
Ouvindo: Belle & Sebastian - You're Justa a Baby; Weezer - Say it ain't so
Po cara... esse Weezer detona demais. Eles fizeram um clipe com meus ídolos de infância. Muppets Babies!!!!!!!! =~~)))))))))
meu...!! muppets... Gonzo r0x! =D mó fofo. acho que é o animal na batera! =) animal, animaaaal... E o especial deles na MTV foi bem bacana também... (do Weezer, não dos Muppets Babies..)
Haaa... eu também recomendo o clipe do Rage Against the Machine. Testify. É indo para outra linha completamente diferente. Mas esses caras do Rage tinham umas sacadas muito boas mesmo. Nesse clipe eles mostram como o Bush e o Gore eram parecidos, ambos candidatos das mega-corporações. Merda quente e merda fria... Como diria o camarada Bukowski.

e "Uma Família da Pesada" é muito engraçado.. =P hehehehe
I fell off the track
Now I can't go back
I'm not like that
Boys act too much
Girls act too tough
Enough is enough.

Postado por Vic em 19:55
...:: i've never said that everything would be okay ::...

Puxa, hoje eu tive um sonho tão bacana com o povo da UFC! Resumidamente e sem detalhes, estávamos viajando para que algumas pessoas (não lembro exatamente quem foi) fizessem um tipo de peça teatral criticando as eleições ao estilo Nelson Rodrigues. Eu, por alguma razão, fui excluído. Mas, daí, eu saí num ônibus pra viajar também (um ônibus e uma viagem muito divertidas). Sendo que então eu me tornei o vocalista/guitarrista do Angra, e fazia uma turnê, sendo que os shows eram realizados dentro do ônibus da turnê (sonhar com música é perfeito). Depois eu voltei pro lugar da peça teatral, encontrei o pessoal e rolaram altas conversas, algumas bem engraçadas. Foi um sonho muito bacana.
=)

Ah, tenho uma sugestão a fazer! Ouçam músicas legais no Windows Media Player, usando a animação de Cores Em Movimento. Com um pouco de auto-lombra, dá um barato bacana.
XP~~

I know I shouldn't believe a word you say
I do it anyway
'Cause I'm dumb like that
Oh, and all the words I've given to you
When you smiled I thought that it meant something else
You were just being yourself
Being nice
You always blablablablablabla* than light
To me
You left me down again
You ignore the things I say to you
If I was scared of you
Then maybe I could leave
'Cause if I walked away right now
There would be nothing left for me to lose but doubt

DUMB LIKE THAT - Good Charlotte
* é porque eu não consegui entender bem o que o vocalista diz nessa parte
=P

Para as pessoas dos blogs que eu visito: me desculpem pelos meus comentários medíocres. Eu realmente gosto dos posts e costumo ter muito a dizer, mas os comentários sempre saem as porcarias que são. Também sei que às vezes é melhor ficar calado que falar besteira, mas é que eu acho bacana você ver seu post e ter comentários nele.
=P

E agora descobri como é ler um blog e não entender o que há nele. Refiro-me ao da Amanda, que reúne coisas endereçadas a certas pessoas e que só essas pessoas vão entender (que nem o do Humberto) e frases bacanas amontoadas que precisam de um pouco de esforço pra fazer sentido (algo que lembra o meu).
Depois dessa, aprendi a lição e vou transformar meu blog em um diário!
=)

Oi, querido blog.
Depois de tanto tempo, de tanto pouco a pouco, hoje eu morri. Chato, não é? Pois é. Mas agora vou ter tempo livre. Acho que vou começar a escrever um livro contando a minha vida e aproveito para falar tudo que eu sempre quis e não pude, desde esculhambar até o extremo oposto. Também vou fazer um (livro) baseado na frase "faça o que eu digo, não faça o que eu faço".
Bem, queria lhe pedir um favor. Avise às pessoas que eu quero ser cremado. É. Primeiro, que todos os meus órgãos sejam doados, depois serei cremado. Quanto às minhas cinzas, não importa onde sejam jogadas. Estava pensando que servissem de adubo para alguma árvore bacana. Assim, as pessoas poderão dizer "pelo menos para alguma coisa ele serviu". Só exijo que a cremação e a adubação sejam realizadas ao som de February Stars, do Foo Fighters.
Droga, me esqueci de ter um filho!
E, deixe-me ver o que mais... ei! O que é isso? Algum imbecil acendeu uma lâmpada muito escrota. Tem uma luz aqui me enchendo o saco. É bem capaz de chamar a atenção daqueles mosquitinhos bem chatos que ficam voando ao seu redor cujo nome eu não lembro agora. E ainda por cima, parece que a luz está focada em mim. Carambolas! Vou resolver isso e volto depois.
Até a próxima, querido blog.


...:: and i've never said that we would live to see another day ::...
Postado por Pedro Lucas em 12:51
Eu sou um polipeiro. Não encha meu sarco.

:: Cebolha Para Presidente ::

A corrida para sucessão presidencial esquenta. Hoje foi lançada oficialmente a candidatura do Sr. Cebolha para presidente da república pelo Partido da Social-liberal-nacional-plutocracia Integralista Comunista Cebolhista do Brasil, PSLNPIC do B, com o número 69. A candidatura de Cebolha assusta principalmente os candidatos que se empenham para atingir a respescagem: Rui Pimenta, Garotinho, Zé Maria, Ninguém, Indecisos e Macaco Tião. Com a entrada tardia de Cebolha a atmosfera competitiva do Campeonato Eleitoral torna-se ainda mais pesada.

Postado por Vic em 02:46

sábado, setembro 14, 2002
To pensando em criar meu próprio blog. E aí Pedro! Cê toparia dar umas contribuições lá?

A Editora Contraponto acabou de lançar o livro "A Sociedado do Espetáculo" de Guy Debord (da Iternacional Situacionista), a leitura é interessante, o texto é profundo, poético e confuso, e faz tantos jogos semânticos que quase desemboca no sofismo. Mas ainda é uma oba de grande consistência. Obviamente não é completamente necessário comprar o livro. Ele pode ser encontra na íntegra em português na internet.
Aqui por exemplo: http://www.geocities.com/Paris/Rue/5214/debord.htm
A Conrad lançou Panegírico, do mesmo Debord, que também pode ser facilmente encontrado na internet.
Aqui ó: http://www.terravista.pt/IlhadoMel/1540/panegirico.htm
No passado costumava sair mais barato comprar o livro do que imprimir. Hoje eu não sei. De qualquer forma é bem mais barato me pedir emprestado e xerocar =P.

Tese 124
A teoria revolucionária é, agora, inimiga de toda a ideologia revolucionária e sabe que o é

Começo a concordar com os dinheiristas. Ter algum dinheiro até que seria legal. Foi triste não ter grana para comprar o livrinho do "Kalvin & Haroldo" que eu vi hoje na livraria. Eu amo Kalvin & Haroldo com todas as forças do meu dedão do pé. Mesmo. Um dos melhores quadrinhos que já foram criados.

Postado por Vic em 02:51
Eu prometo nunca mais colocar nada de minha autoria aqui nesse blog para evitar falar coisa que eu não devo.

I say the right things
But act the wrong way
I like it right here
But I cannot stay
I watched the TV
Forget what I'm told
I am too young
And they are too old
I'll make it you see
I'm ever so pleased
Pretend to be nice
So I can be mean
I missed the last bus
I'll take the next train
I try, but you see
It's hard to explain

Strokes é tão lindo... é cafona, mas é lindo! =P
Eu não estou me reconhecendo mais. Agora só escuto essas coisas melosas. Strokes, Radiohead, Weezer, Pixies, Belle & Sebastian (ooooo, mas You're just a baby is so fucken cute =P), Mutantes...

:: Tempo Perdido ::
Aristolfo de Olinda Prado (mais poemas dos primórdios)

Às vezes estou em casa
Pensando nela
Imaginando se ele está em casa
Pensando em mim
Imaginando se eu estou em casa
Pensando nela
Mas estou só perdendo meu tempo
Perdendo meu tempo
Pensando numa garota

Haaaa... e foda-se a promessa que eu fiz lá em cima.

Ouvindo: Pixies - Where is my Mind/ My Velouria; Belle & Sebastian - You're just a baby/ She's Losig it; Strokes - The Modern Age/ Someday/ Hard to Explain; Mutantes - Baby; Ramones - I won't let it happen; Radiohead - Creep/ Nice Dream
E o CD solo do Joey Ramone é muito bom. Não é bem o que se chamaria de punk mas é bom. Don't Worry About Meeee...
É isso aí...

Por hoje é só. Fiquem com um pouco de Carl Solomon. Vai por mim. Vale a pena. ; )

:: Lamento ::
Para
Os dias e noites que passei,
Estudando o significado do significado.

Sugestões às Universidades

Um achados-e-perdido para almas
(boa! nota do blogueiro)

O que é ser esperto

Eu desafio vocês, Maoístas e outros, a definir este termo de uma maneira civilizada

Democracia

A democracia é o meio-termo entre a tirania e a anarquia.

Trocadilho

Quando George Sand rompeu com Chopin, ela perdeu sua composure

Sem Título

Who's afreud of Sigmund Freed?

Sem Título

Vocês se lembram de Speed Lamkin?

Poema para Philip Lamantia

Você é o indiozinho de todos os dias.
Você é o Karl Marx dos motivos ulteriores.
Você é o hambúrguer com a educação universitária.
Não, nós nunca veremos o dia em que a rima se unirá à razãp, ou o crime à traição.

Minha Pesquisa

Hoje eu acabei minha pesquisa sobre otimismo.
Acho que falta alguma coisa.
Amanhã começarei minha pesquisa sobre o pessimismo.

Idéias sobre o Suicídio

Tanto faz se você se suicida ou morre de morte natural.

Idéias sobre a Psicose

Tanto faz se você é louco ou normal.

Conclusão

Tanto faz

(JÓIA! =D, nota do blogueiro)

1967
Opinião sobre a Maioria das Coisas

Acho que é uma puta vergonha

Sequência em Prosa

"Pelo amor de Deus, pare de regar as flores!" Ele ejaculou.

Teste

Você se lembra do poema de Poe sobre doença mental - The Ravin?

Postado por Vic em 01:27
Hoje eu tranquei Criptógamas.

fuck...
Postado por Vic em 00:36
...:: se perder no abismo que é pensar e sentir ::...

Em uma palavra:
Porra!

Tenho tanto a dizer, mas temo ser taxado de louco.
:)
Não que isso seja necessariamente ruim.

E esse medíocre postador que vos fala está sofrendo de uma variação da crise que sofreu o blog do companheiro Humberto.
=\
Mas nem por isso vou deixar de postar... apenas não vou saber mais o que dizer, o que expressar, o que sentir, o que cantar.

E, mais uma vez, a Esperança mostrou suas garras malignas. Sim, cheguei muito próximo de morrer nela.
Depois de uma noite e uma manhã ouvindo músicas 'felizes' - punk rock, rock'n roll, bubble gum e voltei até a ouvir Pato Fu (viva Nuvens e O Peso Das Coisas) - vejo-me mergulhado em uma noite repleta de Los Hermanos, Lifehouse, Foo Fighters e Radiohead.
Como algo tão perfeito pode trazer tanta tristeza? E como tamanha tristeza pode trazer pontas de felicidade?
(Eu sei a resposta, só queria saber se alguém mais tem alguma idéia)

"Todo dia o dia não quer raiar o sol do dia. Toda trilha é andada com a fé de quem crê no ditado de que o dia insiste em nascer. Mas o dia insiste em nascer pra ver deitar o novo."
Los Hermanos (essa eu coloquei como uma irônica homenagem à face destruidora da Esperança)

"Eu só aceito a condição de ter você só pra mim. Eu sei, não é assim, mas deixa eu fingir... e rir"
Los Hermanos

"Ziguezagueando zonzo de te procurar, tranco no meu pranto o canto alto de euforia que eu queria te cantar. Guardo pra mim. Deixa estar"
Los Hermanos

Ainda não entendo como há pessoas que preferem o primeiro CD ao segundo... ó, mistérios insolúveis da vida, desvendem a si mesmos ou devorar-se-ão.

Ah, alguém sabe me explicar o que o Adriano quer dizer com "você está no caminho certo" ou "já está começando a se descreepizar"?

Em uma frase (do Blink) e um som:
I'm still that stupid worthless boy.
Aaaaaaaaaah!

...:: a última pessoa ::...

=> Vou parar com essa estúpida contagem, pois eu não sei contar depois de um zilhão.
Postado por Pedro Lucas em 00:05

quarta-feira, setembro 11, 2002
...:: i wish i was special ::...

A frase que introduz esse post resume os últimos dias.

Sabe quando você tem de se segurar à terra para não voar às estrelas, para não acabar vagando perdido por lá, ou para não ter de cair todo o caminho de volta e bater no chão duro e frio?
Quando, de tão feliz, você precisa encontrar motivos para ficar triste?
Simplesmente nada mais tem sentido... tudo que você quer é parar de pensar, quem sabe parar de sonhar.
As palavras fogem sorridentes de você, como uma brincadeira.
Seus sorrisos já não sabem mais expressar tanta satisfação, então acabam escondendo uma profunda tristeza.
Seus olhos já não vêem nem são vistos. Apenas no escuro se pode ver beleza.
Quando tudo passa a ter sentido... mostrar que não é necessário haver um sentido, só é preciso pensar e sonhar.

Não tenho muito a expor... ainda mais depois do fiasco que foi meu último post...

Coloco também dois trechos de outras duas músicas que eu escrevi há algum tempo.

If nothing’s what it seems
Then I don’t want you in my dreams
Girl I wish
Just your kiss
Hell, I’m needing this
No matters why
I just can’t forget about your eyes
I won’t cry
I know that without you I still can survive
I STILL CAN SURVIVE - Pedro Lucas

One of these rainy days you’ll wake up out of track
Take a look around you and you see nothing at all
Then you’ll have to watch your step and beware of the fall
Or you will go down deep
It’s going to be your latest trip with your soul
LATEST TRIP WITH YOUR SOUL - Pedro Lucas

* Viram como sou eclético? Escrevo em português e em inglês :P

E a vida não é tragicamente engraçada? Amargamente deliciosa? Tristemente efêmera? Virtualmente real? Poeticamente morta? Ironicamente perfeita? Eu não sei...

Sinto-me na obrigação de repetir aqui um trecho do post do Vic Godine, do dia nove de setembro.
"Pode ser que as minhas mensagens hoje não estejam muito esperançosas. Mas se você quer enrolação vá ler algum livro de auto-ajuda. Eu não sou o cara que olha pro horizonte e diz "tudo vai melhorar". É preciso deixar bem claro: melhores dias não virão, nós teremos que fazê-los!
A esperança é como um psicotrópico ilegal. Ela pode te alegrar e te dar barato, mas os covardes irão se agarrar nela e ir até o fundo, tudo isso para não ter que encarar a realidade.
No reino do quantitativo a esperança é proibida. Também.
Por isso que nossas UTOPIAS são PIRATAS. A esperança não pode morrer, mas também não podemos morrer na esperança."

Às vezes me dói ler os posts do Victor... por mais que eu concorde, que sinta o mesmo (como na música Simon, do Lifehouse, "as you I've felt the same"), a sua poesia faz arder a mais negra centelha de dor no meu pâncreas. E isso é lindo... Talvez me mate, mas é lindo.

\
Acho que não há mais nada a dizer.
Sim, há, em verdade, mas eu não sei dizer.
/

Tenho medo de voltar a viver
Só pra você me ver morrer
NÃO ME FAÇA TE AMAR - Pedro Lucas

...:: you're so fucking special ::...

=> Há dezessete dias eu não arranjo uma paquera* para apresentar aos meus avós.
Postado por Pedro Lucas em 23:27
Há quatorze dias eu não falo com a Mariana. Há nove dias ela me pediu para eu nunca mais procurá-la. Parece que faz tanto tempo desde esse dia, parece que aconteceu há séculos. E parece que foi ontem que a gente estava conversando noite a dentro.

Eu nunca pensei que iria sentir tanta falta dela. Eu nem a conhecia de verdade. Nunca a tinha visto, nem por foto, nunca tinha ouvido sua voz. Tudo que possuíamos era um relacionamento inconstante, instável, sensível e completamente virtual. Durante todo esse tempo, cerca de um ano desde o dia em que ela apareceu pela primeira vez no #punx, eu jamais passei tanto tempo sem conversar com ela quanto agora, nem quando eu vim para cá fazer as provas de vestibular. Apesar do modo estranho como nos conhecemos e como nos falávamos eu a considerava uma amiga, uma amiga verdadeira. De verdade... daquelas com que você passa a madrugada toda rindo e contando piada, tomando um sorvete hiper-doce de cereja, ouvindo Pixies ou Ramones, enquanto observam pela janela a rua molhada da chuva brilhando com a luz refletida dos postes. Uma amiga...
Ela não me deu chance de falar uma última palavra. Uma última conversa. Alguma explicação. Alguma coisa. Não me deu uma última oportunidade. Uma última lágrima que fosse. Nada. Eu sou um garotinho. Uma última... Simplesmente desapareceu, nas sombras, no vazio. Foi embora tão repentinamente como chegou. Não me procura mais, por favor... E foi embora.
E eu sinto falta. Isso não é o pior. Eu sinto angústia. Sinto a impotência de algo estar me machucando, e eu não poder fazer nada. Está doendo. Eu não posso fazer nada... Eu nunca pude. Você pode?

A cada dia eu tenho menos esperança que ela volte. Mas parece que a cada dia eu penso mais nisso. Eu não sou difícil de alegrar. Qualquer coisa me deixa feliz. Se daqui a quatro meses eu recebesse um:
-oi vic! eu tô morando em Londres agora... a gente podia voltar a se falar?
Pronto, eu já estaria feliz. Só que quatro meses é tempo pra caralho. E eu não vou receber isso.

Perder um amigo, porque ele se afastou, porque ele mudou de cidade, porque ele está ocupado, porque vocês não tem mais contanto, porque ele mudou de escola, porque ele arranjou uma namorada, porque vocês mudaram e já não se bicam mais. Tudo isso é ruim. Mas perder um amigo assim é cruel. Violento, cru, seco, amargo. Sem razões, sem explicações, do nada, BUM!, fuck off, mantenha distância, BUM: eu não quero te conhecer. não quero nem falar contigo mais. E você sente o frio, você sente o tiro, e sabe que vai cair, mas não sabe de onde vem, nem de quem vem, nem porque vem. E você não sabe. Você sente o gosto metálico na boca as pernas bambas a cabeça tonta. E sabe que vai cair. E você cai e sua testa começa a sangrar.


Eu não sinto vontade de odiá-la. Eu não sinto. Eu não consigo odiar as pessoas. Com você eu não consigo nem ficar chateado. Não há desculpas a serem ditas, não há coisas a serem perdoadas. Só há palavras, sentimentos, esplelhos e fumaça, magoa (?)- alguma -, emoções, indiferença, decisões e mais palavras, dor, atos, atos são tudo, de atos se fazem o mundo. Fecha-se um ato. O show não pode parar. Mais um pouco de indeferança. A grande crueldade da vida é que eu nunca vou conseguir odiá-la, o amor é pra sempre, não se pode consumir, comprar, vender, falsificar, destruir, quantificar, interessificar, condicionar. O amor não. Eu vou amá-la para sempre, mas com a consciência de que ela simplesmente não quer que eu me aproxime.

O que se diz quando não há nada a se dizer? O problema de falar é que é tudo não passa de falatório. Se eu soubesse que era tão chato eu teria pulado e aprendido a ler primeiro. Ou a amar logo de uma vez, que é menos entendiante e um pouco mais suportável. Mas não dá pra fazer arte sem dizer que a beleza de tudo é que nada é real, mas eu me sinto vivo mesmo assim, e que eu te amo sem nem saber que raios significa isso. E que por isso, ou apesar disso, tudo está bem, e as flores não estão com medo de mostrar os rostos. Só há mais um segredo, e a noite ainda o guarda, temerosa que o dia chegue. Não há o que fazer quando tudo aconteceu, mas ainda se pode acontecer quando tudo está feito.
Com carinho,
para a Lua... e para os yogurtes
com a certeza de que nos encontraremos no infinito.... e quem sabe até antes, ou antes e depois... porque acabou a época em que a vida era formada de tempos mortos. Isso eu lhe prometo!
E para Mariana Lima com amor e calda de morango...
Os tempos mortos não acabaram. A novidade é que agora até a solidão é intensa. Não há mais nada a ser dito. Nada que as palavras possam dizer.

O que eu sou? Um cara sozinho em mundo que ele não gosta, e que não gosta dele. Alguém que não quer fazer nada amanhã em um mundo em que se precisa fazer alguma coisa amanhã, e mais, em que se precisa gastar o hoje inteiro pensando em como vai fazer as coisas que precisam ser feitas amanhã. Um revolucionário sem revolução. Um menino mimado e orgulhoso. Um coelho albino tremendo de medo no canto do quarto. Um hamster correndo em uma roda. Eu sou o pâncreas enrugado de Jack.
Eu sou um garotinho...
(Alguém aqui já viu um pâncreas? Como vocês sabem que o pâncreas existe? Não acredite em tudo que você lê por aí. A partir de hoje eu abandono a minha fé na existência do pâncreas)

Um crise leva a outra. Você quebra a perna. Então acorda e se lembra que está indo mal no colégio, que sua vida amorosa é um fracasso, e que seu amigos estão distantes (e se distanciando). Sendo que eu não me importo com minha perna, com a minha vida amorosa ou com o colégio. Eu não me importo com o que eu vou ser quando crescer. No que eu vou trabalhar, do que eu vou ser escravo, de como eu subsistirei com a minha preciosa miséria pelos séculos Amém! Mas eu me importo com os meus amigos. Perder a Mariana me fez ver que eu não estou disposto a perder mais nada.
Eu vou voltar.

Amanhã eu apareço na seção de alunos e me informo como eu posso trancar, por quanto tempo posso trancar, o que acontece se eu trancar.

Antes as novidades me prendiam aqui. Depois as conversas com a Ana me prendia aqui. De certo modo até as conversas a noite com a Mary me prendiam aqui. Agora nada mais me prende.

Abner, Chico, Zimbladdou, Pedroca, Samy, Yuri, Márcio da Hora, Thiago, Gabriela, Lígia, Rafael, Wilhelm, Arthur, Mariana, Guilherme, Laércio, Alexandre, Daniel, Taco, Renne, Pai, Mamãe, Davi, Bruno, Ana, Diogo, Raoni, Vovó, Vovô, Gustavo, Maíra, George, Rubens, Douglas, Vovô, Carlos Celso, Lucas, Esther... Enfim... todos os irmãos e irmãs, são muito para que eu possa lembrar todos agora. Eu amo vocês. Com a certeza de que odeio o mundo mas amo a vida.

Esse post é dedicado a meninha que era mais fofa que um filhote de urso panda, mas que agora está tão longe que eu nem posso mais ouvir as batidas de seu coração. Acho que você nunca vai ler isso, mas só queria dizer que você realmente fez a sua difereça, marcou na minha vida, você ainda é importante para mim. Tenha uma vida felix! Um último sorriso. Um último suspiro. Adeus.

And I said to myself, what a wonderful world...

Postado por Vic em 17:06
Hoje completa um ano dos atentados as torres gêmeas. É verdade. Mas mais importante que isso: hoje também é o dia Internacional do Ator Performático de Camêras de Vigilância. Sim siiim. Esse profissional que tanto nos dá alegria também tem o seu. Participe ativamente dele. Faça uma peça de teatro com seus amigos na frente de uma câmera de vigilância, um conto do Kafka, um romance do Camus, uma tirinha da mônica, uma encenação dos atentados de um ano atrás, uma paródia de Star Wars com algumas metáforas interessante com "Império" e "Rebeldes", tudo está valendo, o importante é passar sua mensagem e se divertir um pouco. Nem precisa ser coisa muito sofisticada, dê uma língua, um cotoco, uma banana, cole um adesivo em cima da lente, mostre a bunda, enfim, seja criativo. Os que ainda são de menor: aproveitem! Vocês são os que podem fazer mais coisas bacanas sem medo de serem preso.

:: ATORES PERFORMÁTICOS DE CÂMERAS DE VIGILÂNCIA ::

Parece inacreditável – eu mesmo achei que era brincadeira – mas alguém conseguiu pensar nisso: um grupo de performáticos americanos criou uma pequena trupe dedicada exclusivamente a atuar em frente de câmeras de vigilância. Os Performáticos de Câmeras de Vigilância (Durveillance Câmera Players), um misto de anarquismo militante, situacionismo extremado e bom humor, existe em Nova Iorque desde 1995, e inspirou a fundação de outros semelhantes no Arizona (EUA), São Francisco (EUA), Bolonha (Itália) Estocolmo (Suécia) e Lituânia.

Os grupos adotam a tática que chamam de “Programação Guerrilheira de Equipamentos de Vigilância por Vídeo”. Segundo texto disponibilizado em seu sítio, “um grupo de indivíduos cria um cenário e atua usando as câmeras de vigilância como se fossem suas, como se estivessem produzindo seu próprio programa, e como se audiência consistisse da equipe de segurança, polícia, diretores de escolas, moradores de condomínios fechados, e os próprios produtores e vendedores de sistemas de segurança. O grupo de programação guerrilheira pode escolher qualquer câmera que achar conveniente e interessante, tendo em mente, é claro, que algumas câmeras são monitoradas ao vivo, enquanto outras gravam fitas que provavelmente serão vistas apenas no caso de algum crime acontecer nas horas de seu funcionamento”.

(...) O grupo pode escolher imitar as estruturas tradicionais do teatro, cinema, comédia de TV ou documentário, ou jogar tudo pro alto e improvisar. O grupo pode escolher um horário regular, digamos, terça-feira às 8:30 da noite, para veicular seu programa; ou em vez disso, resolver transmitir uma produção de gala de 5 horas”. Algumas mudanças foram feitas no programa original (“Hoje, os PCV concentram-se nas pessoas que, por acaso, passam e vêem nossas performances”), mas a idéia básica continua a mesma: atuar em frente a câmeras de segurança.

É isso mesmo: eles montam uma peça e apresentam-na diante da câmera, como forma de mostrar a quem estiver no outro lado da câmera que eles também estão sendo observados e estudados; chamar a atenção das pessoas para a existência das câmeras e a vigilância completa de suas vidas; levantar questões como o uso de softwares de reconhecimento facial e o fim da privacidade dos cidadãos; e trazer a público fatos esquecidos pela sociedade do espetáculo (em termos baianos, por exemplo, a revolta dos escravos em Ilhéus, em começo do século XIX) ou outros que, infelizmente, não aconteceram (ex.: a morte do jovem ACM numa briga de gangues no Campo da Pólvora).

As peças seguem um esquema simples, podem ser usados textos/temas já existentes – como, por exemplo, 1984 de George Orwell; Psicologia de Massas do Fascismo, de Wilhelm Reich; Esperando Godot, de Samuel Beckett; todos estes já representados; os performáticos reúnem-se em frente à câmera escolhida; o mestre de cerimônia anuncia o começo do espetáculo com uma placa, voltada para a câmera, onde se lê: Surveillance Câmera Player presents... Logo após, é erguida outra placa com o título da peça, e começa o espetáculo.

É um teatro mudo; todo o “texto”, extremamente reduzido, está em cartazes, erguidos pelos atores ou pelo mestre de cerimônias. Todo o resto é feito a partir de cartazes pendurados nos pescoços dos atores (como as placas “6079 SMITH W” e “4224 DOE J”, que identificam Winston e Julia em 1984), mímicos (um “apontar coletivo” para a câmera é gesto comum) ou máscaras.

Durante a representação, outras pessoas podem estar distribuindo material de denúncia ou de relexào, como, por exemplo, Antonin Artaud e o Teatro da Crueldade; Software de Reconhecimento Facial; Sobre a Webcam Opewrada em Público pelo Município de Tempe; Arizona; Sobre a Vigilância Televisiva Sem Fio em Nova Oirque; dentre vários outros. Também colam adesivos sob as câmeras, indicando sua presença.

11 de setembro

Um Dia Internacional Contra as Câmeras de Vigilâncias

Você é contra o uso de câmeras de vigilância em lugares públicos?

“Os Performáticos de Câmeras de Vigilância” estão puxando um dia internacional de protesto contra as câmeras de vigilância em lugares públicos, e a redução das liberdades civis nos EUA e em outros lugares, no próximo dia 11 de setembro.

Para participar é fácil, durante a quarta-feira, 11 de setembro de 2002, pare na frente de uma câmera de vigilância e mostre o que você pensa. Lembrem-se, as câmeras não registram som, então você terá que fazer gestos, pantomima, palavras impressas e/ou retratos para passar sua mensagem.

Se possível documente tudo, e divulgue em fanzines, jornais, webs e tudo mais. Seja criativo! Não seja tímido! Não tenha medo de demonstrar seu sentimento! Sua confiança inspirará outros.

Mais infos da campanha e ”d’Os Performáticos de Câmeras de Vigilância”, entre no site: wwwnotbored.org Lá você encontrará fotografias, vídeos clips, tapes, scripts...

E-mail: notbored@panix.com

*

Haaaa... agora o Luther Blissett tem um site no Brasil... parece ser interessante:
http://www.lutherblissett.com.br

Até mais...
Postado por Vic em 01:35

segunda-feira, setembro 09, 2002
Hoje me senti horrivelmente só. No escuro, encolhido em minha cama de casal, revirando-me sob cobertas emprestadas, sobre sentimentos imprestáveis, antes da meia-noite.
Ainda há o que se perguntar? Ainda há razões para dormir?
Os pessimistas dirão simplesmente que não.

Eu simplesmente não sei.

*

Já que o Pedro Lucas disponibilizou suas composições antigas, vou relembrar aqui também os tempos passados, e postar uns poemas dos primórdios. Quando tudo o que eu queria era que me deixassem em paz.

:: Amor ao Mar ::
Aristolfo de Olinda Prado

Eu amo o amor
Alguém me ame
por favor
Eu amo o mar
Alguém por favor
Queira me amar!

:: A Alma Ganha Palavras ::
Aristolfo de Olinda Prado

A alma ganha voz
A mais bela das nostalgias
Foi tão lindo viver
Enquanto vivias

A palavra ganha voz
Profunda melancolia
Foi tão lindo o amor
Enquanto havia

:: Palavras Soltar Reunidas Especialmente Para Você ::
Aristolfo de Olinda Prado

A poesia é vida
Que mata o que é morto
É a fria geada
Que destrói o horto

O que finge ser mais feliz
Pode viver descontente
E o que suavemente se diz
Pode lhe quebrar os dentes

A nuvem de gafanhotos, por onde passa
Destrói
A ferrugem, estrepolenta, o que toca
Corrói
A cruz, suprema morte, onde é erguida
Constrói

Nunca vi um chester
Nem nunca toquei numa soja
E a cor das listras da zebra
É algo que muito me importa
As manchas de café
E o azul do céu
As perguntas imbecis
Que os imbecis censuram
A árvore que cai sozinha
E nunca saberems se faz barulho

As perguntas que não se calam
Mas que sempre são caladas
As pessoas que falam o que é certo
Mas falam na hora errada

Viva o tomate subversivo
E viva as piadas sem sentido
Viva tudo o que se transforma
Viva os latinos (e os marroquinos)
O Michael Jackson e o Supla
Viva eu
Viva tu
Viva o rabo do tatu

O excesso de peso é um roubo.
(e a propriedade privada também...)

*

é como se eu fosse uma pessoa muito muito muito triste... e que você conseguisse fazer ela sorrir um pouco, nem que fosse por um momento...

*

Who can to blow the blues?

*

Ontem eu me senti realizado. A minha mala era a segunda na esteira de bagagens! A minha mala (quando chegava) era sempre uma das últimas a aparecer. Não importava se fosse numa viagem de ônibus, avião ou navio, não importava se eu fosse o primeiro ou o último a despachar bagagem. Ela sempre arrumava um jeitinho de só dar as caras lá para o final. Eu estava até começando a pensar que fosse assim com a maioria das pessoas. Isso porque com a minha vasta experiência em esteiras de bagagem eu havia percebido que as primeiras malas sempre ficavam rodando por eternidades, e ninguem as pegava. Mas ontem minha mala foi a segunda a aparecer! Será que isso vai ser um padrão desse novo "ciclo"? Será que a vida trabalha com um sistema de compensações? "Você se sentirá um pouco mais triste, mas em compensação não será mais um dos últimos a pegar a bagagem". Afinal, o destino parece ter algum senso de humor.

A sua vida será um tédio, mas em compensação a TV terá 155 canais diferentes. Enjoy the show!!

*

Quando a ordem vai pro mano-mano e espanca a subjetividade. Só nos resta subverter a ordem.

*

Vocês já sentiram algo como se os dias felizes estivessem à porta, mas o dia que deixou de ser feliz estivesse a quilômetros de distância?
Tudo bem tudo bem.. Não dá pra entender mesmo.

Parece fazer séculos que eles deixaram de existir. Mas parece que eles aconteceram a minutos atrás.

*

Seu futuro é um desastre.

*

O Zimbladdou certa vez perguntou porque eu não adimitia que era afim da Ana Terra. A verdade é que eu tentei. Eu quis. Eu queria ter alguma coisa que me prendesse aqui. Que não há Célula Nossa de Cada Dia. Eu quis. Mas eu não consegui. E agora isso não faz a menor diferença.

*

Pode ser que as minhas mensagens hoje não estejam muito esperançosos. Mas se você quer enrolação vá ler algum livro de auto-ajuda. Eu não sou o cara que olho pro horizonte e digo "tudo vai melhorar". É preciso deixar bem claro: melhores dias não virão, nos teremos que fazê-los!
A esperança é como um psicotrópico ilegal. Ela pode te alegrar e te dar barato, mas os covardas irão se agarrar nela e ir até o fundo, tudo isso para não ter que encarar a realidade.
No reino do quantitativo a esperança é proibida. Também.
Por isso que nossas UTOPIAS são PIRATAS.

A esperança não pode morrer, mas também não podemos morrer na esperança.

*

Quem não gostaria de comer sorvete de flocos na escada enquanto os automóveis queimavam nas ruas? Eu gostaria.

*

Mais umas poesiasinhas dos primórdios:

:: A Esperança (do Adolescente) É a Última que Morre ::
Aristolfo de Olinda Prado

Se eu fizer tudo certo
Talvez ela me deixe tocar sua mão
Escrevendo esse poema sobre ela
Talvez eu ganhe seu coração

:: Sorriso do Desejo ::
Aristolfo de Olinda Prado

Os pequeninos lábios da menina
Frutos proibidos de meu desejo
Nunca me negaram um sorriso
Mas sempre evitaram o beijo

:: Tudo Acabado ::
Aristolfo de Olinda Prado

Ela falou que eu não era o cara
que ela pensava
Me contou que parou de ser divertido
eu só a chateava
Eu disse: não deixe nosso futuro ser destruído
pelo meu passado
Ela disse: não deixe minha porta
acertar seu rabo

p.s.: essas três últimas, à época, já foram feitas para soarem ingênuas.

*

Se você não gosta dos meus posts, se acha eles grandes demais ou qualquer merda dessa, reclame com o Pedro. Ele me deu carta branca para escrever aqui. E é isso que eu estou fazendo.

A todos vocês: um abraço e tenham uma vida feliz.

Postado por Vic em 12:04

Powered by Blogger

Template desenvolvido por Blog Templates

Arquivo